PÍLULAS DE REFLEXÃO 005 – Tome água de côco

Oi gente.. antes tarde do que mais tarde…

Chegou a nossa 5ª pílula..

Todos devem estar na correria de fim de ano.. assim como eu.. esperando as pausas e confraternizações das festas.. já fazendo alguns plano.. alguns esperando férias e viagens..

Desde já meus votos de que tudo corra bem para todos e todas..

A pílula de hoje é um texto que publiquei ontem no Facebook.. nas raras vezes em que passo pelo Face é pra publicar coisas com hashtags, #vinavia e #ouvinaminhacabeca

Segue o texto narrado pra vocês:

Hoje senti uma vontade imensa de pedalar… Talvez pelo fato de nos últimos 15 dias eu ter trabalhado muitas horas no computador… É, prof. de música trabalha muito no computador também…

Bem.. eu fui… Pedalei, não era o melhor horário, estava muito sol, mas passei a maquiagem (protetor solar) e fui.

Pedalei, e tal… E parei pra tomar água de côco na baquinha, ali, naquela rua sem muito movimento, no carrinho de água de côco da Fátima.

Dona Fátima quando não tem cliente deita-se na rede ao lado do carrinho. Sim, na rede, pendurada em duas árvores. O carrinho fica de frente a sua casa, do outro lado da rua, numa área pública, com bastante árvores.

Sr. Mário estava chegando com um botijão de gás cheio, no ombro. Sr. Mário tem 70 anos, com músculos no braço que só vejo nos bombados da academia, sério. Sr. Mario trouxe o gás pra Fátima, pois acabou o gás no meio do feijão.

Pedi minha água de côco, tomei com uma senhora linda, uma vovó de quase 70, segundo ela. Que pena, não sei seu nome. Mas ela me contou que mora aqui a 50 anos, e que tudo ali era sítio, não tinha nada, nem luz e água era só no poço, todo mundo tinha poço.

Ela contou que um dia asfaltaram as ruas, mas ficou um pedacinho no fim da rua sem asfalto e sem luz, pois diziam que aquele pedaço pertencia a cidade vizinha e os prefeitos ficavam brigando pra saber de que cidade era o pedaço da rua.

Muitas histórias pra um côco só. Incrível.

Teve também a história da ciclista que caiu e quase derrubou a senhora linda que não sei o nome. Teve também a história do vizinho que ouvia muito som alto e que a Fátima chamou a polícia e foi encontrado droga na casa do vizinho. Também tem a história de que Sr. Mário tem galinheiro, mas dá todos os ovos para agradar seu patrão, pois ele é aposentado mas adora trabalhar.

Ahhh e não posso esquecer. Sr. Mario pintou as guias da calçada e a base dos troncos das árvores de branco. Parece trabalho da prefeitura, mas é o Sr. Mario mesmo.

Muita história pra um côco apenas.

Era o que eu precisava:

Viver fora do computador e do celular.

Experimentem.

E Sr. Mario disse que se Deus quiser ele vai colocar um caldo de cana ali também.

Se eu vou voltar?

Todo dia se me for possível.

Todo dia se fora da vontade de Deus, da Deusa, de Oxalá…

Imagina as histórias que virão com o caldo de cana.

Era tudo o que eu precisava.

Um côco e a vida pulsando simplicidade.

Amém.

É minha gente.. que tenhamos momentos de paz e simplicidade..

Eis a minha maior e permanente promessa para todos os anos.. e tenho conseguido em.. talvez não na porcentagem mais perfeita.. mas estou conseguindo…

Gente.. semana que vem terça é natal.. e na outra é ano novo.. que delícia..

Então não vou garantir que teremos pílulas assim.. completas… bem gravadinhas e publicadas…

Mas vou mandar alguma coisa pra vocês sim.. estou adorando isso aqui.. trocar ideias com gente bacana é sempre bom…

Mas já deixo aqui meu desejo de muita arte, música e paz para próximo ano…

Obrigado pela parceria de vocês e muita luz pra todos nós…

Alguma pessoas me pediram então também vou deixar aqui no roteiro do programa os links para quem quer adquirir os materiais do Arte da Criança tá bem?

Tem o CD, o curso de Ukulele e o Songbook com cifras, então vou deixar aqui pra que quiser dar uma olhadinha..

beijoo imensooooo do Shauan e da Aline

———————————–

Receba estas PÍLULAS DE REFLEXÃO por whatsapp, acessando artedacrianca.com.br/pilulas

Este programa é uma criação do Arte da Criança e do Bebê em Movimento, e tem o apoio da MT Instrumentos Artesanais, acesse: mtinstrumentos.com.br

———————————–

CD DIGITAL – MÚSICA LÚDICA E BRINCANTE

13 canções brincantes de autoria de Shauan Bencks

CD DIGITAL – MÚSICA LÚDICA E BRINCANTE

CURSO COMPLETO DE UKULELE

2 anos de acesso, tutoria com Shauan, semanal, mais de 40 canções, mais aulas bônus, natal e afins

Curso de Ukulele OnLine

SONGBOOK + ASSESSORIA (4 meses)

indicado para quem já toca que quer o repertório para multiplicar

http://artedacrianca.com.br/loja/product/songbook-assessoria-ukulele-brincante/

SEMANA UKULELE BRINCANTE – no ar até 22/12/2018

www.artedacrianca.com.br/semanaukulele

Apoio:
Clique para acessar

 

 

PÍLULAS DE REFLEXÃO 004 – Rede social de mais, vida vivida de menos

 

Saudações lúdicas e brincantes, eu sou Shauan Bencks e esta é sua Pílula de Reflexão semanal.

Um pequeno áudio com dicas sobre educação, movimento, brincadeiras musicais, ludicidade e desenvolvimento humano.

———————————–

Nossa 4ª pílula, que alegria esta caminhada.. obrigado a todos e todas pela parceria, pela audiência….

A pílula de hoje surgiu de uma mensagem que recebemos aqui no whatsapp do Arte da Criança.. A Mayra, psicóloga formada e estudante de pedagogia nos presenteou com duas idéias de temas para as pílulas, que tal você também no enviar seu comentário e sugerir uma pauta?

Estamos no aguardo…

A Mayra comentou uma pílula e no meio do seu comentário ela disse que a única rede social que utiliza é o Whatsapp, não utiliza facebook, instagram nem nada do tipo, apenas o whatsapp.

Curioso nos dias de hoje não?

Eu confesso que tenho tentado diminuir o uso das redes para assuntos que não sejam de trabalho.. eu posto fotos nos instagram, que vão direto para o facebook, acho legal.. e publico as coisas na página do Arte da Criança, referente a educação, música e arte…

Mas não mais tenho rolado a timeline sem parar vendo o que os amigos estão publicando.. não mesmo.. parei com isso e este tempo que eu ficava rolando a timeline eu estou utilizando para ler livros que estavam no plástico ainda e que eu prometia ler e nunca conseguia.

Isso está me fazendo um bem incrível, inclusive para ter ideias destas pílulas, assim como para novos projetos, canções, brincadeiras…

Será que precisamos mesmo de tanta informação?
Será que o menos não é mais? Será que pouca informação não trará mais criatividade?
Será que não é melhor, de tempos em tempos, eleger alguns “mestres-gurus” e ler durante um tempo os artigos destas pessoas, e depois ir elegendo outros mestres e assim por diante, e ir modelando fontes confiáveis de informação?

Será que no turbilhão de posts do facebook a gente não se perde? E não perde a vida passando, os filhos crescendo, os bons documentários ficando sem ser assistidos???

Bem, a Mayra só tem whatsapp, e eu tenho diminuído o uso das redes sociais, cada um pode encontrar seu ponto de equilíbrio. E é fato que o acesso a este turbilhão de informações se dá através, principalmente, dos aparelhos móveis, os celulares na maioria.

E pesquisando sobre o tema para esta pílula, encontrei um artigo no site “Disciplina Positiva Brasil.”

Não tenho maiores referências sobre o site, se alguém aí tiver algum comentário nos envie por favor, os temas abordados parecem muito bacanas..

Mas vamos ao artigo, cujo título é:

QUAL O IMPACTO DA TECNOLOGIA E DOS SMARTPHONES NAS NOSSAS VIDAS?

(http://disciplinapositiva.com.br/novosite/index.php/leitura/artigos/item/193-qual-o-impacto-da-tecnologia-e-dos-smartphones-nas-nossas-vidas)

O link para o artigo completo está no roteiro deste programa.

Certa altura do texto o assunto tratado é a dependência do uso de tecnologia móvel pelas pessoas, e vejam só algumas razões desta dependência:

<<abre aspas>>

“Segundo Adam Alter existem algumas razões para a dependência.

A primeira delas reside no fato que temos esses aparelhos amplamente disponíveis, de forma tão próxima que quase não precisamos mover nossos pés durante o dia para alcançá-los. O excesso da disponibilidade facilita o contato, oferecendo um impacto psicológico direto de como vivemos nossas vidas. Não ter o celular por perto provoca um mal estar psicológico/físico, então estamos com ele dentro do nosso raio de alcance o dia todo.

A segunda razão é que existem algumas características psicológicas inerentes a experiência de usar o celular que nos prendem a ele. Por exemplo, a ausência de “dicas de parada”. O mundo atual tem uma ausência de sinais que indicam que devemos parar algum comportamento. Por exemplo, quando você está lendo um livro ou assistindo a um filme, existe o fim. Temos a sensação de ter finalizado algo e decidimos se passamos para o próximo capítulo. Planejamos o que vamos fazer depois de terminar uma etapa. Acontece que hoje as mídias sociais não têm uma dica de parada. Podemos rolar o Instagram horas sem ter fim. Pulamos de um aplicativo para outro de forma automática, sem ter a sensação que finalizamos algo.

A terceira razão para a dependência seria a quantidade de recompensas que o eletrônico nos traz durante o dia. Essas recompensas nos propiciam doses pequenas de prazer, durante todo o período de interação com o celular devido a liberação de dopamina, o neurotransmissor do prazer. Por exemplo, os “likes” que recebemos numa foto, dão prazer. Receber uma mensagem no WhatsApp dá prazer, saber que você andou determinados passos ou alcançou uma meta de quantidade de seguidores, gera um prazer imediato. Desta forma, passamos o dia inteiro liberando pequenas doses de dopamina, que nos tornam dependentes, pois ao longo do tempo, precisamos de doses cada vez mais elevadas para sentir a mesma sensação de bem estar/prazerosa.” <<fecha aspas>>

Pois bem amigas e amigos… será que estamos drogados de celulares?
Precisando de doses cada vez maiores de redes sociais, likes, coraçõezinhos, seguidores???

Gente, eu quero seguidores, eu adoro saber que as pessoas estão seguindo o Arte da Criança..

Mas nós aqui do Arte da Criança queremos que vocês elejam um tempinho bem saudável para ver nossas notícias.. depois disso.. desliguem, desconectem, vão pra praça, vão ler um livro, vão pensar…

Ouçam esta pílula de hoje e desliguem seus celulares para pensar sobre ela.. que tal?

Por falar em ir pra praça..

Sábado passado aconteceu a 3ª edição do ARTE DA CRIANÇA NA PRAÇA, segue uma ou duas fotinhas pra vcs aí…

Simplesmente um grupo de amigos, vai pra praça, leva brincadeiras, instalações sensoriais para bebês e crianças pequenas, uma orquestra de Ukulele, com alunos de música, um grupo de capoeira, um palhaço, alguém doou pipocas.. e pronto…

É isso..

Que tal agitarem algo nesse sentido em suas cidades??

Que tal adotarem uma praça e convidarem os artistas da cidade pra tocar..

Todo mundo voluntários e vamos que vamos..

Obrigado pela audiência meu povo…

FOTOS DO 3º ARTE DA CRIANÇA NA PRAÇA

E antes de terminar peço a licença das senhoras e senhores ouvintes, para dizer que está acontecendo a 1ª SEMANA UKULELE BRINCANTE.

Uma série de vídeos de brincadeiras musicais, que podem ou não serem brincadas com o instrumento musical UKULELE.

Os vídeos são compartilhados apenas via whatsapp, e a semana é totalmente gratuita..

Vocês poderão baixar PDFs com as cifras, assim como arquivos de áudio e o vídeo com o tutorial da brincadeira… que tal começar a pensar brincadeiras para 2019, já que muitos dos nossos seguidores aqui no Arte da Criança são educadores e pais…

Para participar da SEMANA UKULELE BRINCANTE acesse: www.artedacrianca.com.br/ukulelebrincante

O link também está no roteiro deste programa..

www.artedacrianca.com.br/ukulelebrincante

———————————–

Receba estas PÍLULAS DE REFLEXÃO por whatsapp, acessando artedacrianca.com.br/pilulas

Este programa é uma criação do Arte da Criança e do Bebê em Movimento, e tem o apoio da MT Instrumentos Artesanais, acesse: mtinstrumentos.com.br

Apoio:
Clique para acessar

 

 

PÍLULAS DE REFLEXÃO 003 – Tempo Tempo

Saudações lúdicas e brincantes, eu sou Shauan Bencks e esta é sua Pílula de Reflexão semanal.

Um pequeno áudio com dicas sobre educação, movimento, brincadeiras musicais, ludicidade e desenvolvimento humano.

———————————–

Ouvintes amigos, eis que chegamos em nossa 3ª Pílula de Reflexão.

Esta pílula foi escrita por Aline Meneses, do Bebê em Movimento que também é Arte da Criança.

Está na minha voz, mas o texto é dela, vamos lá?

Faço parte de vários grupos de mães, um dia surgiu uma conversa a respeito dos andadores de empurrar, alguns bebês estavam mais interessados em brincar com os brinquedos do que em empurrá-lo.

Conversamos e compartilhei com elas a seguinte opinião:

Quando o bebê estiver preparado para andar ele vai andar, sem necessidade desses materiais

Primeiro eles se levantam com apoio, depois passam a andar lateralmente segurando nos móveis, com as mãozinhas na parede, no sofá, na estante…depois disso começam a testar o “ficar em pé sem apoio” e quando se sentem seguros soltam o apoio e pronto, lá estão eles indo em busca do que querem na posição bípede.

Minha orientação enquanto profissional é que os brinquedos estejam em lugares que eles tenham um motivo para ir em busca, se estiverem o tempo todo ao lado deles não vão precisar buscá-lo.

Se um bebê está mais encantado com os brinquedos do andador do que em empurrá-lo para andar, é sinal de que ele ainda precisa explorar muito.

Os bebês precisam de chão, de grama, de parque, de obstáculos, precisam que os deixemos agir no ambiente explorando o mundo, e assim vão desenvolvendo suas habilidades, só precisamos confiar neles.

Depois dessa conversa, me peguei pensando no tempo em que perdemos deixando com que a ansiedade nos tome.

“Peço-te o prazer legítimo

E o movimento preciso

Tempo tempo tempo tempo

Quando o tempo for propício

Tempo tempo tempo tempo”

(Oração ao tempo, Caetano Veloso)

Como minimizar a ansiedade  que chega de mansinho e faz com que não olhemos para as crianças com olhares atentos?

Estamos sempre apegados ao que eles ainda não fazem e não valorizamos as suas competências.

Stella Barbieri em seu livro “Interações: Onde está a arte na infância?” fala sobre experiência…

Ela nos diz:

“A passagem dos anos faz com que nos tornemos menos dispostos a ter novas vivências, quando adultos. Acabamos nos satisfazendo com o que já conhecemos.”

Stella Barbieri

Tenho pra mim que essa satisfação, o não encantamento com o novo, o mesmo encantamento que vemos nos olhos das crianças, que lhes é visceral, nos distancia da experimentação, da observação, da escuta, da percepção.

Estamos sempre correndo, apressados e automaticamente colocamos as crianças nesse emaranhado de afazeres, com isso não respeitamos o ritmo e o tempo delas, não percebemos os mínimos e lindos detalhes da infância.

Precisamos deixar de lado esse olhar cultural do “vir a ser” e sentir a sutileza do “ser”, sim a criança é competente no que já é capaz de realizar, chega de pensar nas etapas que virão, assim fazemos com as crianças, assim fazemos conosco.

Stella ainda diz “não basta viver algo, é preciso que as vivências nos tomem e nos transformem”.

Te convido então a se permitir olhar o novo quantas vezes forem necessárias e que estejamos presentes, nos transformando e levando a vida com leveza. Corpo, mente e coração agradecem e claro, a infância também.

Nas pesquisas sobre infância, esse texto de Carolina Prestes Yurila faz sentido e se conecta com o meu pensamento.

Segue o link da Carolina no roteiro do programa:

LINK TEXTO CAROLINA

———————————–

Receba estas PÍLULAS DE REFLEXÃO por whatsapp, acessando artedacrianca.com.br/pilulas

Este programa é uma criação do Arte da Criança e do Bebê em Movimento, e tem o apoio da MT Instrumentos Artesanais, acesse: mtinstrumentos.com.br

Apoio:
Clique para acessar

 

 

PÍLULAS DE REFLEXÃO 002 – Que Luz?

 

Saudações lúdicas e brincantes, eu sou Shauan Bencks e esta é sua Pílula de Reflexão semanal.

Um pequeno áudio com dicas sobre educação, movimento, brincadeiras musicais, ludicidade e desenvolvimento humano.

Recentemente participei de um evento de lançamento de livro. No palco estava o autor do livro e uma outra pessoa, o entrevistando.

A luz do palco que estava direcionada para o rosto dos dois, era bastante forte, e não estava boa, nem para o público, pois ofuscava demais os palestrantes, e nem para o autor do livro e o entrevistador.

Os palestrantes pediram para que aquele foco de luz fosse desligado, pois havia outras luzes no espaço, não iriam ficar no escuro.

E eu acompanhei de perto um dos organizadores pedindo para o técnico de luz para que ele apagasse ou mudasse alguma coisa naquela coisa.

Como eu estava perto desta conversa, pude também acompanhar o técnico de luz, tentando explicar o inexplicável ao organizador do evento. Ele dizia que, se apagasse a luz o evento iria perder o Glamour.

Perder o Glamour?
Como assim?

Papo vem, papo vai, papo foi, os palestrantes seguiam incomodados, mas o organizador conseguiu que a luz fosse apagada, deixando os palestrantes confortáveis, ainda bem.

Mas eu fiquei com aquilo na cabeça.

Como assim perder o Glamour?
As estrelas da palestra queriam passar seus recados para o público e estavam incomodados, só isso já é motivo para não haver discussão, certo?

O evento merece sim todo Glamour, era um evento bonito e altamente significativo para quem estava presente, mas puxa vida, pessoas estavam incomodadas com aquela luz.

Precisamos de Glamour, mas precisamos de profundidade, carinho, bem-estar, leveza, sensibilidade, amor, este é o Glamour.. Se a luz do palco contribuir para tudo isso, estará tudo bem e perfeito, mas caso contrário, que seja apagada.

E eu fiquei dias pensando sobre isso, e ainda penso.

Que luz eu, como educador, estou lançando em meus alunos, nas famílias que atendo direta ou indiretamente em minhas ações como educador?
Estou lançando uma luz que projeta o meu ego, minhas vontades, que talvez estejam se sobrepondo ao que as crianças precisam, ou realmente estou adequando meus planos de aula, meus projetos, na direção de uma relação horizontal com os pequenos, ouvindo também o que eles têm a dizer e propor para as nossas atividades?

Ouvir as crianças, auscultar as crianças, nada têm a ver com não ter planejamento e sim com um tipo de olhar ampliado, emancipador para todos os envolvidos.

Que tal pensarmos sobre isso?

E para terminar esta Pílula de hoje, segue um vídeo que gravei no final de 2016, com a canção PIPAS, que foi construída em conjunto com as crianças, a partir de uma reflexão profunda com os pequenos, em um daqueles momento mágicos que as crianças nos presenteiam.

O link está no roteiro do programa.

Obrigado pelo carinho de todos os ouvintes, recebemos mensagens lindas sobre a primeira pílula que enviamos… gratidão amigos.. vamos seguindo juntos..

E pra semana que vem.. um texto lindo de Aline Meneses, uma reflexão imperdíviel… aguardem..

Apoio:
Clique para acessar

 

 

Protegido: Feira Educação Musical Ativa – Materiais Shauan

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

PÍLULAS DE REFLEXÃO 001 – Quem Tá Pronto?

Saudações lúdicas e brincantes, eu sou Shauan Bencks e esta é sua Pílula de Reflexão semanal.

Um pequeno áudio com dicas sobre educação, movimento, brincadeiras musicais, ludicidade e desenvolvimento humano.

Este é nosso primeiro programa, nossa primeira temporada das PÍLULAS DE REFLEXÃO.

Aqui você vai encontrar dicas de vídeos, livros comentados, audios, brincadeiras e claro, reflexões. Para este primeiro programa selecionamos uma reflexão e uma brincadeira, e é claro que aguardamos as sugestões de vocês, para os temas dos próximos programas.

Teca Alencar de Brito é uma das grandes referências do Arte da Criança, educadora musical de grande importância no Brasil e também fora dele.

Em seu livro “Música na educação infantil” da editora Peirópolis, Teca nos diz:

“O percurso que cada educador ou educadora deve percorrer, junto com as crianças, tem de ser único, significativo, VERDADEIRO e POSSÍVEL.”

E a certa altura neste mesmo livro, Teca descreve o seu trabalho como:

“um trabalho pedagógico-musical que se pode realizar em contextos educativos nos quais a música é entendida como um processo contínuo de CONSTRUÇÃO que envolve perceber, sentir, experimentar, imitar, criar e refletir”.

Mas espera, esta construção contínua, não é algo apenas para os processos de educação musical, concordam?

Podemos considerar este pensamento, acerca do trabalho com música, servindo como uma luva para qualquer processo em educação, não?

Então você, educador ou educadora, não especialista em música, deve estar concordando comigo, que esta construção que envolve perceber, sentir, experimentar, imitar, criar e refletir, é o que precisamos como caminho para ações significativas com as crianças, estou certo?

Então vamos seguir:

Aproveito estas falas da Teca e lanço algumas provocações a vocês:

1 – Estamos Construindo?

2 – Estamos numa relação horizontal com as crianças?
Ou ainda agimos de maneira verticalizada, com a antiga postura de
“eu ensino e você aprende “?

3 – Estamos apenas copiando e juntando um monte de atividades, brincadeiras e músicas desconexas? Ou estamos em projetos emancipadores, flexíveis e que valorizam o processo e não apenas o produto final?

Bora pensar meu povo, bora se incomodar sempre…

Segue no roteiro deste programa o link para a canção QUEM TÁ PRONTO?, de minha autoria em parceria com Ana Vitória Bella.

Uma canção para movimento, para colocar o corpo em posições diversas, e quem sabe em outra perspectiva de leitura do mundo.

Esta canção faz parte do CD Música Lúdica e Brincante que você pode encontrar no artedacrianca.com.br/loja também em versão digital.

Alguém aí sugere alguma outra forma de brincar com esta canção?

Contem pra gente.

Receba estas PÍLULAS DE REFLEXÃO por whatsapp, acessando artedacrianca.com.br/pilulas

Este programa é uma criação do Arte da Criança e do Bebê em Movimento, e tem o apoio da MT Instrumentos Artesanais, acesse: mtinstrumentos.com.br

LINK DA CANÇÃO: https://youtu.be/QUF7m3G403Q

Apoio:
Clique para acessar

 

 

E.V.A. ??????

Recentemente publiquei um texto sobre o uso exagerado de coisas feitas com E.V.A. nas salas de aulas da educação infantil.

Este texto repercutiu muito bem em meu perfil pessoal no Facebook e também na página do Arte da Criança.

Reproduzo o texto aqui para quem interessar…

Mas curiosamente o texto não foi aprovado em alguns grupos de educadores na mesma rede do Facebook…

Como é difícil sair da zona de conforto e refletir sobre a prática com os pequenos não? Ainda mais quando tem EGO e comércio por traz… “Da força da grana que ergue e destrói coisas belas” (C. Veloso)

Segue o texto:

Existem processos acontecendo com pouca reflexão por parte de educadores infantis que encontro por aí.. e que vejo nas redes sociais…
É preciso mais terra, grama, folhas de verdade, de várias texturas, cores e cheiros diferentes.. tinta natural, massinha natural, pincel de folhas.. precisamos de olhos nos olhos, não precisamos dos infinitos recortes e coles de E.V.A. Menos plástico, mais amor.. Não faz sentido… Não tem porque representarmos a vida em pedaços de E.V.A recortados.. a vida está pulsando em outras esferas, e as crianças precisam deste outro pulsar…. se mudarmos elas abraçam, transformam, mudam, nos guiarão ainda mais do que já nos guiam, pois as crianças são a mudança que precisamos.. basta iniciarmos a partilha…
Pode parecer exagero, e via Facebook eu não tenho como contextualizar melhor.. mas o E.V.A exagerado e constante é um dos representantes do jeito “emburrecedor” de tratar os pequenos. É preciso se incomodar e buscar equilíbrio nas ações.. é o que penso…. mas não sou só eu que penso assim.. grandes nomes da educação infantil estão a mil anos luz à frente da prática recorrente em grande parte das escolas educação infantil…. sigamos… nos ajudando a mudar…. beijo

SHAUAN BENCKS

Psicomotricidade

Quando falamos em PSICOMOTRICIDADE, o que vem a sua mente?

Hoje em dia muito se fala em desenvolvimento psicomotor e da sua importância na infância, isso me faz acreditar em um mundo que está cada vez mais ciente das especificidades da infância e da importância do movimento para o desenvolvimento do ser humano, bem como para a aprendizagem.

Para aprender é imprescindível que o ser humano sinta, pense e aja.

A psicomotricidade traduz a ligação profunda entre a atividade psíquica e a atividade motora, ou seja, é uma ciência que reconhece o ser humano com um ser integral, considerando efetivamente a sua relação com o seu ambiente interno e externo.

Podemos perceber que a psicomotricidade está envolvida no desenvolvimento global e harmônico do ser humano desde o nascimento, ligando assim o corpo, o movimento, com o psiquismo.

A definição atual da Sociedade Brasileira de psicomotricidade é que “ É uma ciência que tem por objetivo o estudo do homem através do seu corpo em movimento nas suas relações com seu mundo interno e externo, bem como suas possibilidades de perceber, atuar, agir com o outro, com os objetos e consigo mesmo.” (SBP)

O homem é o seu corpo e a psicomotricidade o auxilia a ter domínio desse corpo, domínio de si mesmo, o eleva a um patamar de equilíbrio, entre si mesmo, o outro e o mundo que o cerca, o leva a um ser “bem dentro de sua própria pele”, um corpo que pensa, que sente, que transborda e que possui capacidades expressivas.

Vocês já devem ter ouvido falar nas bases que fundamentam o desenvolvimento psicomotor que são: Tonicidade, Equilibração, Lateralização, Noção de Corpo, Estruturação espaço-temporal, Praxia Global e Praxia Distal, mas delas falaremos em outros posts.

O importante agora é, entendermos que psicomotricidade não é uma atividade motora em que a criança reproduz movimentos já conhecidos, automatizados e explorados, na estimulação psicomotora a criança é provocada a desorganizar as suas habilidades já conhecidas e experienciadas, assim ela utilizará todo o seu aparato cognitivo, emocional e motor procurando novas possibilidades para solucionar o “problema”.

Quanto mais oferecermos situações diferenciadas e espaços de criação, para que nossos meninos e meninas busquem novas soluções para alcançar o resultado desejado, mais eles colocarão os seus cérebro sem funcionamento e novas sinapses se formarão. Esse processo não favorece somente a inteligência, mas toda uma organização motora e emocional, auxiliando no desenvolvimento da autonomia e criatividade.

Vale lembrar o quanto nós, educadores, devemos abandonar a nossa ansiedade e controle, para deixar que os meninos e meninas sejam protagonistas de sua aprendizagem, e só alcançaremos esse patamar quando entendermos o quanto eles são repletos de potencialidades.

Termino esse post com um fragmento das palavras do educador Loris Malaguzzi:

[…]A criança tem cem linguagens (e depois cem cem cem), mas roubaram-lhe noventa e nove. Lhe separaram a cabeça do corpo. Dizem-lhe: De pensar sem as mãos de fazer sem a cabeça de escutar e de não falar de compreender sem alegrias de amar e de maravilhar-se só na Páscoa e no Natal […]

Que possamos respeitar as “linguagens” das crianças, para construirmos e percorrermos um caminho de escuta, onde criar, aprender, explorar e viver sejam habitados na infância.

Até o próximo post !

Beijos e abraços psicomotores

Aline Meneses

2ª Semana da Educação Lúdica e Sensível – 2018

de 12 a 24/06/2018

GRATUITO

Cadastre-se para receber:
www.artedacrianca.com.br/semanaludica

Tirar o Peso da Vida

Vamos revisitar alguns videos que temos aqui em nossos arquivos, e Paulo Netho esteve em nossa Semana da Educação Lúdica e Sensível em 2017.

É preciso “tirar o peso da vida”, e Paulo indica muitos caminhos para isso…

Não percam a grande oportunidade de trabalhar com os livros do Paulo, conheçam todos em: https://armazemdopaulonetho.com/livros/

Um dos que adoramos por aqui no Arte da Criança é este:

 

Divirtam-se com a levezas deste grande educador, poeta e brincante.. pessoa necessária demais..

Top