PÍLULAS DE REFLEXÃO 003 – Tempo Tempo

Saudações lúdicas e brincantes, eu sou Shauan Bencks e esta é sua Pílula de Reflexão semanal.

Um pequeno áudio com dicas sobre educação, movimento, brincadeiras musicais, ludicidade e desenvolvimento humano.

———————————–

Ouvintes amigos, eis que chegamos em nossa 3ª Pílula de Reflexão.

Esta pílula foi escrita por Aline Meneses, do Bebê em Movimento que também é Arte da Criança.

Está na minha voz, mas o texto é dela, vamos lá?

Faço parte de vários grupos de mães, um dia surgiu uma conversa a respeito dos andadores de empurrar, alguns bebês estavam mais interessados em brincar com os brinquedos do que em empurrá-lo.

Conversamos e compartilhei com elas a seguinte opinião:

Quando o bebê estiver preparado para andar ele vai andar, sem necessidade desses materiais

Primeiro eles se levantam com apoio, depois passam a andar lateralmente segurando nos móveis, com as mãozinhas na parede, no sofá, na estante…depois disso começam a testar o “ficar em pé sem apoio” e quando se sentem seguros soltam o apoio e pronto, lá estão eles indo em busca do que querem na posição bípede.

Minha orientação enquanto profissional é que os brinquedos estejam em lugares que eles tenham um motivo para ir em busca, se estiverem o tempo todo ao lado deles não vão precisar buscá-lo.

Se um bebê está mais encantado com os brinquedos do andador do que em empurrá-lo para andar, é sinal de que ele ainda precisa explorar muito.

Os bebês precisam de chão, de grama, de parque, de obstáculos, precisam que os deixemos agir no ambiente explorando o mundo, e assim vão desenvolvendo suas habilidades, só precisamos confiar neles.

Depois dessa conversa, me peguei pensando no tempo em que perdemos deixando com que a ansiedade nos tome.

“Peço-te o prazer legítimo

E o movimento preciso

Tempo tempo tempo tempo

Quando o tempo for propício

Tempo tempo tempo tempo”

(Oração ao tempo, Caetano Veloso)

Como minimizar a ansiedade  que chega de mansinho e faz com que não olhemos para as crianças com olhares atentos?

Estamos sempre apegados ao que eles ainda não fazem e não valorizamos as suas competências.

Stella Barbieri em seu livro “Interações: Onde está a arte na infância?” fala sobre experiência…

Ela nos diz:

“A passagem dos anos faz com que nos tornemos menos dispostos a ter novas vivências, quando adultos. Acabamos nos satisfazendo com o que já conhecemos.”

Stella Barbieri

Tenho pra mim que essa satisfação, o não encantamento com o novo, o mesmo encantamento que vemos nos olhos das crianças, que lhes é visceral, nos distancia da experimentação, da observação, da escuta, da percepção.

Estamos sempre correndo, apressados e automaticamente colocamos as crianças nesse emaranhado de afazeres, com isso não respeitamos o ritmo e o tempo delas, não percebemos os mínimos e lindos detalhes da infância.

Precisamos deixar de lado esse olhar cultural do “vir a ser” e sentir a sutileza do “ser”, sim a criança é competente no que já é capaz de realizar, chega de pensar nas etapas que virão, assim fazemos com as crianças, assim fazemos conosco.

Stella ainda diz “não basta viver algo, é preciso que as vivências nos tomem e nos transformem”.

Te convido então a se permitir olhar o novo quantas vezes forem necessárias e que estejamos presentes, nos transformando e levando a vida com leveza. Corpo, mente e coração agradecem e claro, a infância também.

Nas pesquisas sobre infância, esse texto de Carolina Prestes Yurila faz sentido e se conecta com o meu pensamento.

Segue o link da Carolina no roteiro do programa:

LINK TEXTO CAROLINA

———————————–

Receba estas PÍLULAS DE REFLEXÃO por whatsapp, acessando artedacrianca.com.br/pilulas

Este programa é uma criação do Arte da Criança e do Bebê em Movimento, e tem o apoio da MT Instrumentos Artesanais, acesse: mtinstrumentos.com.br

Apoio:
Clique para acessar

 

 

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*